Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de maio de 2011

nada acontece
quando a gaivota mergulha –
senão o silêncio

****

sem vento
as pequenas gaivotas
não podem flutuar

****

subida da serra –
em cada curva da estrada
uma nova visão

****

também sem vento
o verdejante arrozal
parece encolher

****

o cheiro da terra
toda vez que chove
invade a varanda

****

tarde brilhante –
o silêncio se espalha
aonde vai a gaivota

****

antigamente
em minha vida os dias eram
sempre diferentes

****

névoa na estrada -
a carcaça da raposa
ainda estremece

****

bem juntinhas
sob a garoa da tarde -
corujas buraqueiras

****

papo na varanda -
dúvidas permanecem
na névoa da manhã

****

varanda de casa -
o bem-te-vi já aceso
antes do amanhecer

****

ao entardecer
as janelas lá de casa
são todas abertas

2 comentários:

  1. vc é fabuloso, a natureza sempre linda aqui, a vida bonita e colorida e também muito real! bj

    ResponderExcluir