Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

 
 
campo de aspargos –
na tarde silenciosa
caminho sozinho


**

cheiro de ameixa
enquanto cresce a garoa
entre os telhados


**

garoa insistente -
aquecendo minhas mãos
o olhar do gatinho


**
 
tarde de inverno -
meus sapatos encharcados
na hora do almoço


**
 
vai-se o agosto -
em meus antigos poemas
as nuvens cinzentas


**
 
garoa fria -
o cão só mete o focinho
pro lado de fora


**
 
hoje o inverno
não me causa desconforto -
os velhos amigos


**
 
cobrem meu quintal
as chuvas todas de agosto -
café na varanda


**
 
inverno fenece -
feliz envelhecimento
cantam os pássaros




terça-feira, 21 de agosto de 2012



velha tagarela –
do lado de fora da casa
o vento uivante

**

tarde de agosto –
continua o vento de ontem
a soprar as folhas

**

calmamente
colado ao tronco da acácia
o pássaro canta

**

nas ondas do mar
minha sombra se afoga -
entardecer de inverno

**

tarde nublada:
pássaros irrequietos
no alto da acácia

**

vento no jardim –
até o cachorro cansado
no agosto sem fim

**

cai a tarde-noite -
a garoa na janela
me faz repousar

**

no jardim da praça
é uma romaria só -
caliandra santíssima

**

agosto cinzento –
nem o vento insistente
tira o sono do cão

**

chuvas que não vêm -
nesses dias amornados
o inverno fenece




quarta-feira, 15 de agosto de 2012



pela vizinhança
os raios do sol de inverno
amornam os caminhos

**

também já se movem
as sombras nas paredes -
gélida manhã

**

no campos vazios
contemplo a névoa de inverno
ainda mais densa

**

trovão hibernal -
mesmo assim rega as flores
a minha vizinha

**

nos campos secos
rapidamente flutuam
a sombra das nuvens

**

manhã de agosto -
a tão aguardada chuva
ficou pelos montes

**

restos de memória
sobre o banco envelhecido -
azaléias secas

**

ameixa-amarela -
minha parceira de viagem
na estrada vazia

**

dias alongados -
também já cresce o bigode
do filho mais novo

**

imerso em silêncio
já nem me lembrava mais
da mosca de inverno






sobre as colinas
o vento gélido se estende
de leste a oeste

**

enquanto viajo
sobre a estrada a lua cheia
me ensina o caminho

**

anoitecer -
à luz da lua grande
a planície estendida

**

chá das cinco horas -
com pontualidade inglesa
a lua de inverno

**

agosto cinzento -
o perfume inconfundível
do vinho merlot

**

na tarde gelada
o vôo negro das aves
causa-me arrepios

**

noite acolhedora -
na xícara de café
bebo o luar de inverno

**

velhas notícias –
morador de rua se protege
na noite gélida