Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de junho de 2012



por entre azaléias
vai passando o frio da tarde -
meu vizinho dorme


**


até na janela
onde vai brilhando a lua
a noite quente

Haigatos 2012 - Cidade do Haicai



Revista Nosso Haicai nr XIV - Jiddu, Tchello e Chris


terça-feira, 26 de junho de 2012

os montes ao longe
cobertos de nuvens negras –
inverno chegando

**

noite na varanda
meus cabelos molhados
aguardam a lua

**

na rocha varrida
pela brisa permanece
o lagarto imóvel

**

este arco-íris
o tesouro que procuro
no alto da montanha

**

em pé na varanda
contemplo o outono findar
no chá de hortelã

**

tarde outonal -
o casal de namorados
em crescente amor

**

noite gelada –
o canto do grilo não deixa
meu cão dormir

**

brotam
no jardim do falecido
hibiscos vermelhos

**

retorno prá casa
com a minha colheita:
a tosse crônica

**

vendaval de inverno –
na lateral da varanda
restos do telhado

**

noite de são joão –
o sanfoneiro vai tocando
sua melhor canção

noche de outoño –
el vino sube a la cabeza
en San Telmo

12/05

**

bife a mariposa –
depois da segunda garrafa
ela voou

12/05

**

cantina portenha –
o casal apaixonado
só fala inglês

12/05

**

manhã ensolarada
em frente à Casa Rosada
muitos japoneses

13/05

**

en Caminito
en la mañana otoñal
cruzo con Maradona

14/05

**

el viejo almacén –
un hombre de negro danza
la cumparsita

14/05

**

a lua minguante
em meu café da manhã
sorri para todos

14/05

**

pombas e pardais –
a turma do amendoim
na tarde de outono

15/05

**

céu azul profundo –
de olho no amendoim
o pardal arisco

15/05

**

entre muitos pombos
no bairro de Recoleta
contemplo o outono

15/05

**

plátanos dourados –
sinto o silêncio em meu rosto
na brisa da tarde

15/05

**

em la Recoleta
os pardais fazem uma festa
na tarde outonal

15/05

**

festa de pardais –
a pomba sozinha vem
pedir amendoim

15/05

**

Puerto Madero –
o grilo dá boas vindas
na casa de chá

16/05

**

todo perfecto –
desayuno almuerzo y cena
a pesar de las cotorras

17/05

**

mesmo em Buenos Aires
não me deixam em paz
as maritacas

17/05

**

crepúsculo outonal –
cruza o rio de la Plata
um pássaro prata

18/05

**

a lua minguante
sobre as ruas de pedras –
noites de San Telmo

18/05

**

o barqueiro rema
pelo rio de la Plata
flutua a neblina

19/05

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ver-se no retrovisor
e ao fundo o crepúsculo
atrás do arrozal

**

azaléias caem
prá tristeza da vizinha
no jardim em frente

**

manhã cinzenta –
sinto o frio intenso chegando
no olhar do cachorro

**

sob a névoa fria
a estrada vazia e os campos –
o olhar se aprofunda

**

vento minuano –
todas as árvores se movem
para o mesmo lado

**

oferta-me incenso
o vendedor de quadros
ao som do vento frio

**

quietude no lago –
o passatempo da garça
é ouvir o vento

**

segurando a saia
e a caixa de bergamotas –
a moça da feira

**

nessa tarde fria
o vento sul entra em casa
congelando tudo

**

cheiro de pinhão –
esta garoa me lembra
a chácara antiga

**

hora de partir -
na chuva fininha meus passos
desaparecem

**

ao anoitecer
minhas pálpebras sentem
salpicos de orvalho

sexta-feira, 1 de junho de 2012

lanterna de pedra –
sob a guarda do samurai
também de pedra

**

imóvel o rio da prata
assim como o palo borracho
à margem dele

**

manhã cinzenta –
nenhuma gota de chuva
desde a minha volta

**

de repente a chuva
que ninguém mais esperava –
tarde de outono

**

o servente assovia
aquarela do brasil –
sob a nogueira

**

plátanos dourados –
despertam a atenção do fotógrafo
e do boi mocho

**

frio amanhecer –
também aqui na varanda
os pardais ao sol

**

canteiro de gérberas -
o vizinho fala de longe
e eu sou só sorrisos

**

manhã de orvalho –
à sombra do telhado cresce
a nova nogueira
o barqueiro rema
nas águas do rio da Prata –
flutua a neblina

**

a grama cortada
presa aos meus sapatos -
orvalho da manhã

**

fria esta manhã -
assim mesmo o caminhar
do casal de velhos

**

aroma de café –
os velhinhos se juntam
prá conversa fiada

**

por este caminho
o jardim japonês –
brisa de outono

**

ao entardecer
parece inverno o outono
na varanda de casa

**

sobre a pedra
o sapo agachado espia
o cão à espreita

**

mesmo em Buenos Aires
não me deixam em paz –
as maritacas

**

Puerto Madero –
o grilo dá boas vindas
na casa de chá

**

festa de pardais –
a pomba sozinha vem
pedir amendoim

**

céu azul profundo –
de olho no amendoim
o pardal arisco

**

plátanos dourados –
sinto o silêncio em meu rosto
na brisa da tarde

**

a lua minguante
no café da manhã –
sorri para todos

**

manhã ensolarada –
em frente a Casa Rosada
muitos japoneses

**

cantina portenha –
o casal apaixonado
só fala inglês