Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

 
 
campo de aspargos –
na tarde silenciosa
caminho sozinho


**

cheiro de ameixa
enquanto cresce a garoa
entre os telhados


**

garoa insistente -
aquecendo minhas mãos
o olhar do gatinho


**
 
tarde de inverno -
meus sapatos encharcados
na hora do almoço


**
 
vai-se o agosto -
em meus antigos poemas
as nuvens cinzentas


**
 
garoa fria -
o cão só mete o focinho
pro lado de fora


**
 
hoje o inverno
não me causa desconforto -
os velhos amigos


**
 
cobrem meu quintal
as chuvas todas de agosto -
café na varanda


**
 
inverno fenece -
feliz envelhecimento
cantam os pássaros




terça-feira, 21 de agosto de 2012



velha tagarela –
do lado de fora da casa
o vento uivante

**

tarde de agosto –
continua o vento de ontem
a soprar as folhas

**

calmamente
colado ao tronco da acácia
o pássaro canta

**

nas ondas do mar
minha sombra se afoga -
entardecer de inverno

**

tarde nublada:
pássaros irrequietos
no alto da acácia

**

vento no jardim –
até o cachorro cansado
no agosto sem fim

**

cai a tarde-noite -
a garoa na janela
me faz repousar

**

no jardim da praça
é uma romaria só -
caliandra santíssima

**

agosto cinzento –
nem o vento insistente
tira o sono do cão

**

chuvas que não vêm -
nesses dias amornados
o inverno fenece




quarta-feira, 15 de agosto de 2012



pela vizinhança
os raios do sol de inverno
amornam os caminhos

**

também já se movem
as sombras nas paredes -
gélida manhã

**

no campos vazios
contemplo a névoa de inverno
ainda mais densa

**

trovão hibernal -
mesmo assim rega as flores
a minha vizinha

**

nos campos secos
rapidamente flutuam
a sombra das nuvens

**

manhã de agosto -
a tão aguardada chuva
ficou pelos montes

**

restos de memória
sobre o banco envelhecido -
azaléias secas

**

ameixa-amarela -
minha parceira de viagem
na estrada vazia

**

dias alongados -
também já cresce o bigode
do filho mais novo

**

imerso em silêncio
já nem me lembrava mais
da mosca de inverno






sobre as colinas
o vento gélido se estende
de leste a oeste

**

enquanto viajo
sobre a estrada a lua cheia
me ensina o caminho

**

anoitecer -
à luz da lua grande
a planície estendida

**

chá das cinco horas -
com pontualidade inglesa
a lua de inverno

**

agosto cinzento -
o perfume inconfundível
do vinho merlot

**

na tarde gelada
o vôo negro das aves
causa-me arrepios

**

noite acolhedora -
na xícara de café
bebo o luar de inverno

**

velhas notícias –
morador de rua se protege
na noite gélida





melancolia -
sobre os cômoros de areia
o luar de inverno

**

à beira da estrada
goteja o pinheiro ao sol -
última geada

**

o olhar do cachorro
para o alto do telhado -
filhote de gato

**

hora do café -
o frio intenso de ontem é
notícia no rádio

**

saudades do frio
quando em pleno inverno
faz esse calor

**

céu cinza de agosto -
para passar essa tarde
me estiro na cama

**

tigela vazia -
nada mais melancólico
que o olhar do cachorro

**

a chuva gelada
se abate sobre as montanhas -
hora da sesta




terça-feira, 31 de julho de 2012



pena eu estar sozinho -
já floresce na colina
o ipê amarelo


**

na rua de casa
onde não há mais ninguém
se enche de sapos


**


arco-íris de inverno -
o tesouro que procuro
no alto da montanha


**

noite de lua cheia -
não me dá sossego
o uivo do cão


**

retorno prá casa
com uma nova colheita:
a tosse crônica


**


vento cortante -
minhas orelhas sentem
a passagem dele


**


sob o cobertor
aguardo a tarde passar
lendo e sonhando


**


apenas um cão
perambula pelas ruas -
vento minuano


**


à beira do riacho
o salgueiro desfolhado
me mostra o caminho


**


névoa da manhã -
em seu silêncio interior
a garça no brejo


**


tenta em vão pescar
o pescador com sua rede
a lua de inverno


**


azaléia branca -
uma rajada de vento
carrega sua cor


**


noite escura -
de repente as trovoadas
assustam o cachorro


**


na praça central
o silêncio impera agora -
o vento gelado


**


no céu desta tarde
de um azul profundo surge
a lua crescente


**


persigo sem pressa
as nuvens sobre a colina -
arco-íris de inverno


**


entre suinãs
o marido e a mulher
namoram sem pressa


**


outono à tarde -
nas ruelas do cemitério
lastimo em silêncio


**


ruge o minuano
mesmo assim as aves pretas
sobre a carniça




segunda-feira, 9 de julho de 2012




baba de moça -
o noivo pula a fogueira
ao som do acordeon


**


tarde de inverno
em meu bolso esquerdo
o milho cozido


**


na festa junina
arde a grande fogueira
e o meu coração


**


pipoca e pamonha
quentão e pé-de-moleque
formam a quadrilha


**


noite de são joão
em meu bolso um pedacinho
de maria-mole




sexta-feira, 29 de junho de 2012



por entre azaléias
vai passando o frio da tarde -
meu vizinho dorme


**


até na janela
onde vai brilhando a lua
a noite quente

Haigatos 2012 - Cidade do Haicai



Revista Nosso Haicai nr XIV - Jiddu, Tchello e Chris


terça-feira, 26 de junho de 2012

os montes ao longe
cobertos de nuvens negras –
inverno chegando

**

noite na varanda
meus cabelos molhados
aguardam a lua

**

na rocha varrida
pela brisa permanece
o lagarto imóvel

**

este arco-íris
o tesouro que procuro
no alto da montanha

**

em pé na varanda
contemplo o outono findar
no chá de hortelã

**

tarde outonal -
o casal de namorados
em crescente amor

**

noite gelada –
o canto do grilo não deixa
meu cão dormir

**

brotam
no jardim do falecido
hibiscos vermelhos

**

retorno prá casa
com a minha colheita:
a tosse crônica

**

vendaval de inverno –
na lateral da varanda
restos do telhado

**

noite de são joão –
o sanfoneiro vai tocando
sua melhor canção

noche de outoño –
el vino sube a la cabeza
en San Telmo

12/05

**

bife a mariposa –
depois da segunda garrafa
ela voou

12/05

**

cantina portenha –
o casal apaixonado
só fala inglês

12/05

**

manhã ensolarada
em frente à Casa Rosada
muitos japoneses

13/05

**

en Caminito
en la mañana otoñal
cruzo con Maradona

14/05

**

el viejo almacén –
un hombre de negro danza
la cumparsita

14/05

**

a lua minguante
em meu café da manhã
sorri para todos

14/05

**

pombas e pardais –
a turma do amendoim
na tarde de outono

15/05

**

céu azul profundo –
de olho no amendoim
o pardal arisco

15/05

**

entre muitos pombos
no bairro de Recoleta
contemplo o outono

15/05

**

plátanos dourados –
sinto o silêncio em meu rosto
na brisa da tarde

15/05

**

em la Recoleta
os pardais fazem uma festa
na tarde outonal

15/05

**

festa de pardais –
a pomba sozinha vem
pedir amendoim

15/05

**

Puerto Madero –
o grilo dá boas vindas
na casa de chá

16/05

**

todo perfecto –
desayuno almuerzo y cena
a pesar de las cotorras

17/05

**

mesmo em Buenos Aires
não me deixam em paz
as maritacas

17/05

**

crepúsculo outonal –
cruza o rio de la Plata
um pássaro prata

18/05

**

a lua minguante
sobre as ruas de pedras –
noites de San Telmo

18/05

**

o barqueiro rema
pelo rio de la Plata
flutua a neblina

19/05

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ver-se no retrovisor
e ao fundo o crepúsculo
atrás do arrozal

**

azaléias caem
prá tristeza da vizinha
no jardim em frente

**

manhã cinzenta –
sinto o frio intenso chegando
no olhar do cachorro

**

sob a névoa fria
a estrada vazia e os campos –
o olhar se aprofunda

**

vento minuano –
todas as árvores se movem
para o mesmo lado

**

oferta-me incenso
o vendedor de quadros
ao som do vento frio

**

quietude no lago –
o passatempo da garça
é ouvir o vento

**

segurando a saia
e a caixa de bergamotas –
a moça da feira

**

nessa tarde fria
o vento sul entra em casa
congelando tudo

**

cheiro de pinhão –
esta garoa me lembra
a chácara antiga

**

hora de partir -
na chuva fininha meus passos
desaparecem

**

ao anoitecer
minhas pálpebras sentem
salpicos de orvalho

sexta-feira, 1 de junho de 2012

lanterna de pedra –
sob a guarda do samurai
também de pedra

**

imóvel o rio da prata
assim como o palo borracho
à margem dele

**

manhã cinzenta –
nenhuma gota de chuva
desde a minha volta

**

de repente a chuva
que ninguém mais esperava –
tarde de outono

**

o servente assovia
aquarela do brasil –
sob a nogueira

**

plátanos dourados –
despertam a atenção do fotógrafo
e do boi mocho

**

frio amanhecer –
também aqui na varanda
os pardais ao sol

**

canteiro de gérberas -
o vizinho fala de longe
e eu sou só sorrisos

**

manhã de orvalho –
à sombra do telhado cresce
a nova nogueira
o barqueiro rema
nas águas do rio da Prata –
flutua a neblina

**

a grama cortada
presa aos meus sapatos -
orvalho da manhã

**

fria esta manhã -
assim mesmo o caminhar
do casal de velhos

**

aroma de café –
os velhinhos se juntam
prá conversa fiada

**

por este caminho
o jardim japonês –
brisa de outono

**

ao entardecer
parece inverno o outono
na varanda de casa

**

sobre a pedra
o sapo agachado espia
o cão à espreita

**

mesmo em Buenos Aires
não me deixam em paz –
as maritacas

**

Puerto Madero –
o grilo dá boas vindas
na casa de chá

**

festa de pardais –
a pomba sozinha vem
pedir amendoim

**

céu azul profundo –
de olho no amendoim
o pardal arisco

**

plátanos dourados –
sinto o silêncio em meu rosto
na brisa da tarde

**

a lua minguante
no café da manhã –
sorri para todos

**

manhã ensolarada –
em frente a Casa Rosada
muitos japoneses

**

cantina portenha –
o casal apaixonado
só fala inglês

sexta-feira, 11 de maio de 2012

uma papa-mosca
na porta do banheiro –
velha companheira

**

meu primeiro amor
na cadeira de balanço –
é dia das mães

**

amoras vermelhas –
lembrança dos tempos idos
na casa rosada

**

manhã de neblina –
durmo mais um pouquinho
em frente a lareira

**

pena eu estar sozinho –
já floresce na colina
o ipê amarelo

**

cerca de arame –
tendo a lua como abrigo
a coruja pousa

**

a chuvarada
encharca o amolador de facas –
que pedala sem pressa

**

na rua de casa
onde não há mais ninguém
se enche de sapos

**

mar transparente –
desde a última tormenta
um mês se passou

**

começa no jardim
e finda na varanda –
trilha de formigas

**

tarde de outono –
meus cães adormecidos
nem percebem a chuva

**

nos campos secos
o homem a cavalo observa –
o gado seco
poemas mínimos



o sol –
tecido nos olhos
o ipê-amarelo

*

a noite –
teceu no céu
muitas estrelas

*

hortelã –
o cheiro da varanda
nesta manhã

*

na rua –
a árvore se arvora
ao ver-se nua

*

o arrepio –
quando cai a noite
e vem o frio

*

a praia –
a tarde se arrasta
no rabo da arraia

*

o canto
da álacre cigarra –
parece guitarra

*

o mar –
a onda sobre a areia
a desmaiar

*

o estalo –
na tarde entrevada
chuva sobre o telhado

*

o vento –
esfarpa e dobra
o álamo amarelo

*

a cigarra –
na tarde-noite
endiabrada

*

a lua cheia –
em silêncio no céu
já clareia

*

o nenúfar –
sobre o lago a flor se desnuda
para meditar

*

o vento passa
nas asas da libélula –
em silêncio

*

açucena-formosa –
arde esse instante
na cena de agora

*

o lago se escama
feito uma limalha –
vira lama

*

o equilíbrio –
aos olhos o vôo do colibrí
é um colírio

*

a paisagem –
o vento se espalha
na vida selvagem

*

como uma píton
o rio se contorce –
dentro do cânion

*

de repente o vento –
telhas do prédio vizinho
em nosso telhado

*

a lua maior –
revoada de garças
ao meu redor

*

o mistério –
será o som do rio que passa
pelo cemitério ?

*

o labirinto –
na solidão da noite
o dia já foi extinto

*

o silêncio soa –
como um velho sapo
na lagoa

*

a estrela –
este grilo estrila
para a abelha ?

*

o segredo –
um par de asas se agita
na ponta do dedo

*

beleza à vista –
em meio a névoa
revela-se a tulipa

*

meio-dia –
a meia-lua distante
já se anuncia

*

a treva –
a libélula sem vida
sobre a pedra

*

o orvalho –
nos ciprestes do caminho
e dentro dos olhos

*

o pirilampo –
prá lá e prá cá na redoma
é um encanto

*

o escorpião –
em outubro a primavera
na pele já é verão

*

a luz –
o céu azul profundo
ecoa ao longe

*

o fim do dia –
num talo de grama
o vento se enfia

*

a flor de cereja –
uma gota se recolhe
nesta folha – veja !