Pesquisar este blog

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ver-se no retrovisor
e ao fundo o crepúsculo
atrás do arrozal

**

azaléias caem
prá tristeza da vizinha
no jardim em frente

**

manhã cinzenta –
sinto o frio intenso chegando
no olhar do cachorro

**

sob a névoa fria
a estrada vazia e os campos –
o olhar se aprofunda

**

vento minuano –
todas as árvores se movem
para o mesmo lado

**

oferta-me incenso
o vendedor de quadros
ao som do vento frio

**

quietude no lago –
o passatempo da garça
é ouvir o vento

**

segurando a saia
e a caixa de bergamotas –
a moça da feira

**

nessa tarde fria
o vento sul entra em casa
congelando tudo

**

cheiro de pinhão –
esta garoa me lembra
a chácara antiga

**

hora de partir -
na chuva fininha meus passos
desaparecem

**

ao anoitecer
minhas pálpebras sentem
salpicos de orvalho

2 comentários:

  1. Hola Luiz. muy buenos haikus
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  2. Incontestável: você, L. G. é deveras um haicaísta por excelência.
    Abraços!

    ResponderExcluir